Fernando Santos: o notável engenheiro geracional

Uma palavra de apreço é devida à Seleção e ao notável trabalho de renovação protagonizado por Fernando Santos. Disputar duas partidas fora e ganhá-las com clareza sem ter, no grupo de 25, jogadores da qualidade de Ricardo Quaresma, João Moutinho, Anthony Lopes, Rafael Guerreiro, Manuel Fernandes, Bruno Alves, Gonçalo Guedes, André Gomes, Ricardo Pereira ou Gelson Martins, para nem sequer valorizar a ausência de Cristiano Ronaldo – e só nesta “short list” são 11 os “excluídos” – é proeza tanto maior quanto, ao contrário do que muitas vezes sucede, a... Leia o resto →

Do respeito de Rui Vitória ao azar de José Peseiro

O discurso ressabiado de Rui Vitória a exigir “respeito”, que ele vai repetindo de nenúfar em nenúfar, tem tudo para dar errado – porque afasta o foco do que realmente interessa e aguça o engenho dos que o criticam semana sim, semana sim. E faz com que engrosse o número dos que lhe rezam pela pele, talvez sonhando com o regresso de Jorge Jesus à Luz em janeiro. Ainda há dez dias, depois do empate em Chaves, tudo parecia negro para Vitória, com AEK e FC Porto a surgirem como... Leia o resto →

Nani errou mas Peseiro exagera

José Mourinho perdeu os jogadores, ou boa parte dos que contam, e parece missão impossível reverter a situação do Manchester United, que à sétima jornada da Premier está a 9 pontos dos líderes Manchester City e Liverpool. Ótimo momento o que se avizinha para aqueles inimigos de Mou cuja existência se resume a manter a esperança de o ver falhar… E quase o mesmo se passa com Leonardo Jardim, que paga, com o Monaco na zona de descida da Ligue 1, os 400 milhões de euros de lucro que a... Leia o resto →

André Villas-Boas disse agora ser verdade o que antes classificou de palhaçada…

Em novembro de 2009, André Villas-Boas e o Sporting chegaram a um acordo – garantem-me até que passado a escrito – para que o ex-observador de jogos da equipa técnica de José Mourinho sucedesse a Carlos Carvalhal como treinador do Sporting. A notícia, que fez manchete neste jornal, não agradou a Villas-Boas, então ao serviço da Académica, e caiu mal em Coimbra, pelo que o visado se apressou a desmenti-la, classificando-a de “palhaçada”. Foi o que os adeptos mais fanáticos dos leões quiseram ler e ouvir para de imediato inundarem... Leia o resto →

De Pepe a Ronnie O’Sullivan

Duas horas, um minuto e 39 segundos é o novo melhor tempo da maratona, conseguido ontem, em Berlim, pelo queniano Eliud Kipchoge, que retirou ao anterior máximo um minuto e 18 segundos. Eis uma bela oportunidade para recuar 33 anos e lembrar Carlos Lopes, então campeão e recordista olímpico – e campeão do Mundo de corta-mato – que em Roterdão, a 20 de abril de 1985, bateu também o recorde mundial da maratona. O início da glória olímpica e global no atletismo português, desafortunadamente afastada hoje das provas de fundo... Leia o resto →

Rui Vitória até Seferović recuperou

Um dos temas fortes da semana finda foi a reação de Rui Vitória no final da partida decisiva com o PAOK, que ditou o apuramento do Benfica para a Champions. As declarações do técnico visaram críticas de alguém que não foi mencionado, o que fez com que pessoas mais sensíveis aproveitassem para destratar Vitória. Tudo serve, é uma sina. Também não percebi a quem era dirigido o recado, nem me interessa. O que conta é que o Benfica se qualificou, o que é bom para o futebol português. E o... Leia o resto →

A noite em que se quebrou o ciclo do ódio

As ignições sucessivas de ódio e estupidez, promovidas por inúmeros incendiários com responsabilidades no futebol português, criaram o insuportável clima de animosidade e ressentimento em que mergulhámos nos últimos anos e resultaram numa guerra que produz apenas vencidos. Só quebrando o ciclo vicioso de agressão seguida de retaliação – e de nova agressão com nova retaliação e por aí fora – será possível pôr fim a um conflito que tem tanto de imbecil como de inútil. Nunca até ao passado sábado algum dos envolvidos na vergonha havia tido a grandeza... Leia o resto →

Conseguirá Nani voltar a ser o que foi?

Se é difícil chegar ao topo de qualquer carreira e fácil vir por aí abaixo, muito mais complicado é fazer de novo a viagem para alcançar o que foi o nosso lugar ao sol. Pode dizer-se que Nani teve sucesso no seu percurso – jogou no MU e foi 112 vezes internacional – e que chegou a ser comparado a Cristiano Ronaldo. Já em fase descendente de rendimento, atuou com êxito no Sporting, em 2014-15, o que não o impediu de partir para um ano irrelevante na Turquia e uma... Leia o resto →

Jonas grato ao Benfica e aos 5 milhões de euros

Sábia decisão a de Jonas, que escolheu a gratidão pelo clube que o trouxe do inferno de um ocaso prematuro e também pelos quase 5 milhões de euros que lhe oferecem, aos 34 anos, por duas épocas de pré-reforma. Na Luz, ainda se hesitou, pela idade e pelos problemas físicos do jogador, mas o rendimento dos “reforços” Ferreyra e Castillo deixou tanto a desejar que Luís Filipe Vieira optou por manter Jonas, na esperança que ele faça esquecer a estranha partida de Raúl Jimenez – que marcou, no sábado, um... Leia o resto →

O vazio que levou Sousa Cintra à presidência

Com o Sporting em ebulição eleitoral e Sousa Cintra a recolher elogios pelo seu trabalho à frente da SAD, recupero hoje parte da entrevista do empresário ao jornalista Neves de Sousa (revista “Élan”, março de 1990). Cintra explica, ao pormenor, os avanços e recuos que o levaram à presidência do Sporting, em julho de 1989. Ei-lo em discurso direto e igual a si próprio. Ontem sim, hoje não. Há uns anos, um colega vosso que foi dirigente do Sporting, o Jaime Lopes, veio ter comigo para ver se eu queria... Leia o resto →

« Entradas mais antigas

 
Back to top