Adolfo e Jaime: dois homens, duas gerações

No último sábado, choquei com dois títulos fortes. Um foi o da entrevista de Adolfo Mesquita Nunes ao Expresso, o outro era do CM online: Liga de Bombeiros faz ultimato ao Governo. Pertenço a uma geração que só tarde conviveu com a tolerância às orientações sexuais e com a expressão das opções individuais. Assisti a quase tudo, de sentimentos de vergonha a graçolas e insultos, passando pela coragem de casos pontuais, em especial de figuras públicas – Manuel Luís Goucha, então, foi determinante para ultrapassar preconceitos – e lamento que... Leia o resto →

A água não cai só do céu

O presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal avisou há dias que em 2018 a seca poderá constituir uma “calamidade ainda maior do que no ano passado”. Foi o derradeiro grito de alerta dos muitos que se têm feito ouvir e que são, afinal, o sublinhar de uma evidência. Entrámos no inverno numa situação grave em matéria de recursos hídricos, em janeiro pouco choveu e fevereiro parece ir pelo mesmo caminho. Se março e abril mantiverem a tendência, a água secará nas torneiras no próximo estio. Perante o pesadelo, o... Leia o resto →

Maria Germana Tânger: partiu uma amiga

Na manhã da fria segunda-feira da semana passada, soube por um post de João Soares que Maria Germana Tânger nos deixara, aos 98 anos. E coube-me dar a má nova à minha mãe, contemporânea e amiga da desaparecida, veterana de um dos dramas da vida longa: saber da morte dos que amamos. Declamadora, atriz, encenadora e professora de arte de dizer no Conservatório Nacional – quis o destino que eu fosse parar à turma do prof. Carlos de Sousa e não à dela – Maria Germana distinguiu-se também por uma... Leia o resto →

Pedro e Rui: não se lhes ouve uma ideia

A campanha para a liderança do PSD está a ser marcada por pormenores folclóricos e não se ouve aos candidatos uma ideia para o País, não se lhes conhece um projeto de rutura ou algo de inovador. Tenho pena que Pedro Santana Lopes, de quem gosto, optasse por esta tentativa de renascimento político nas atuais circunstâncias, favoráveis a António Costa e à nova geração que se lhe seguirá. Como Rio, Santana pensa que basta aparecer, utilizar o seu poder de comunicação e dizer: “Eu estou aqui e sou maravilhoso”. Em... Leia o resto →

Vieira da Silva? Tomara que não caia

Após duas horas e tal de esclarecimentos na Assembleia da República, na segunda-feira, Vieira da Silva e eu – já explicarei porquê – respirámos de alívio: a modéstia da intervenção do PSD e o exagero da interpelação do CDS permitiu-nos sair vivos de S. Bento. Mal refeitos do stress da tarde, caiu a noite com José Miguel Júdice a citar uma conversa com Santana Lopes para envolver Vieira da Silva num outro suposto caso – o da entrada da Santa Casa da Misericórdia no capital do Montepio, que Santana condicionara, com a... Leia o resto →

A crítica só porque sim desgasta mais a oposição do que o Governo

O Governo não passa uma semana sem criar um caso estúpido como o da transferência do Infarmed para o Porto, uma decisão de que nem o Presidente da República foi avisado – ao menos em nome da colaboração institucional que tão útil tem sido a António Costa. Mas a oposição acha que cavalgar a asneira do momento não basta – na verdade, PSD e CDS travam um combate pela liderança do seu espaço político – e desgasta-se ou anula-se a criticar cada passo do Executivo, incluindo o que nada interessa ao eleitorado. Nessa... Leia o resto →

Não nos iludamos: as incompetências vão continuar a matar

A troca de acusações entre sacos da mesma farinha tornou-se pornográfica: a tragédia dos incêndios, com o seu cortejo de morte e destruição, faz com que, havendo poucos inocentes, os culpados se apontem uns aos outros para esconderem as misérias próprias. Cientistas e comentadores, estes divididos entre os relativamente sabedores e os totalmente ignorantes, apontam, para a desgraça, causas múltiplas que vão de teses profundas sobre desertificação à simples estupidez. É um penoso menu, que nada adiantará aos mortos e de pouco servirá aos vivos, que jamais disporão de todos... Leia o resto →

Arquitetos ou amigos das primas?

Passaram as eleições, já dá para protestar. Em baixo, uma foto, minha, mostra como nas recentes obras do Saldanha, em Lisboa, alguém optou por não subir o lancil, nem colocar pilaretes, no passeio central da Avenida Praia da Vitória, o que fez com que os carros dos selvagens destruíssem as plantas e o sistema de rega. Na segunda foto, de Olga Borges, vemos como na Praça Prof. Santos Andreia, em Benfica, também na capital, o arranjo urbanístico não contou com a circulação de autocarros. Em ambos os casos, o trabalho... Leia o resto →

Só good news para António Costa

Na segunda-feira em que escrevo esta coluna prevê-se para quarta o anúncio da candidatura de Rui Rio à presidência do PSD e aguarda-se que Pedro Santana Lopes avance igualmente para o duelo grisalho de punhos de renda. Paulo Rangel, que após a bênção de Passos Coelho mais facilmente conquistaria o aparelho e poderia mandar, retirou-se antes de se apresentar, e Luís Montenegro, que se afastou da liderança parlamentar com a precisão de um relógio suíço, optou por intervir por fora. Duplo de Passos, este não é o seu tempo. São... Leia o resto →

Sofro pela Catalunha

Gosto de Espanha e gosto da Espanha tal como está. Mas esta questão da Catalunha aflige-me. Aos 18 anos, o meu batismo de voo levou-me a Barcelona, e a primeira cidade estrangeira onde pernoitei foi Gerona. Mais de meio século volvido, a capital catalã é uma das minhas cidades preferidas, e muito por causa do elevado nível cívico e cultural da sua gente que, na verdade, tem pouco de ibérica. Há menos de dois meses, fui a Camp Nou ver o Barça-Real Madrid para a Supertaça e pensei estar noutra... Leia o resto →

« Entradas mais antigas

 
Back to top