Federer e Nadal voltaram a ser os donos do ténis

São 17 títulos do Grand Slam, 11 dos quais em Roland Garros – sete na última década – a juntar a quatro taças Davis, a 32 torneios Masters 1000, às medalhas de ouro nos Jogos Olímpicos de 2008 e 2016, a 100 milhões de dólares de “prize money” e por aí fora: eis o extraordinário palmarés de Rafael Nadal, após ter vencido ontem, em Paris, um troféu que lhe permite manter-se como n.º 1 do ranking ATP e confirmar a sua condição de melhor tenista em terra batida da história.... Leia o resto →

O “Clube dos 8” ainda tem apenas sete

Partiu mais um, o segundo em seis meses, dos sete maiores futebolistas de sempre, quase no mesmo dia em que nasceu uma oitava maravilha dos estádios. Depois de Eusébio, desapareceu Di Stéfano, aquele que foi para mim o maior e o mais completo jogador de todos os tempos, à frente até de Pelé, Maradona, Cruijff e do nosso “King” – tive o privilégio de ver atuar os cinco. Ao lado desse quinteto estelar estarão já Cristiano Ronaldo e Messi, embora só o final das carreiras possa dar a real dimensão... Leia o resto →

 
Back to top