Do azar de Leonardo Jardim à sorte de Marco Silva

Por muito talento que se tenha e por muito trabalho que se desenvolva, é sempre indispensável fechar o triângulo mágico do sucesso com o terceiro vértice, o da sorte. O sábado foi fatal para o segundo grande treinador português a atuar no estrangeiro, Leonardo Jardim, que com o empate no bolso mesmo no fim do difícil embate de Lyon viu a equipa de Anthony Lopes chegar ao triunfo aos 90+6. Ao contrário do que aconteceu ao Monaco, o rival PSG alcançou a vitória aos 90+3, quando o 1-1 em Dijon... Leia o resto →

Dez razões (em 100!) para correr com Marco Silva

Alguns ignorantes verberam o despedimento de Marco Silva, mesmo sem conhecerem todas as razões, e são 100, que assistem à direção do Sporting. Recorro assim a fonte próxima do processo disciplinar instaurado ao treinador para revelar 10 dessas acusações. 1. Não vestiu o fato oficial na final da Taça de Portugal, usando, de forma provocatória, um blusão do clube de modelo exclusivo da gerência. 2. Ganhou a Taça já perto do fim do jogo, causando, com chocante frieza, 85 minutos de enorme sofrimento aos adeptos leoninos. 3. Estabeleceu relações de... Leia o resto →

Sporting: projeto incompleto, equipa curta

Trabalhei muitos anos, demasiados, em projetos com investimento insuficiente para poderem dar certo. Um dia, um amigo perguntou-me: “De que serve construíres um restaurante luxuoso e contratares um ótimo chef, se depois te faltar o dinheiro para o parque de estacionamento que te permita ter clientes?” Abri os olhos com isso e corrigi o tiro daí em diante, mas a chegada da crise deu-me ainda um derradeiro tirocínio. A mim e a 90 por cento do país: fazer mais com menos. A lição do restaurante tem um exemplo claro no... Leia o resto →

Havendo alemão há logo confusão

De volta a Gaspar. Com Slimani na CAN e conhecendo o Sporting a forte probabilidade de o argelino regressar fatigado ou mesmo lesionado, como veio a acontecer, nem assim se considerou estratégico encontrar um pinheirinho no mercado de janeiro. Ou melhor, considerar até deve ter-se considerado, só que tudo se resume, em Alvalade, à frase célebre de Vítor Gaspar: não há dinheiro. Nem com o Arrentela. É certo que há Montero, um jogador precioso, de pés de veludo, postura positiva e forte espírito de equipa. Mas o colombiano não é... Leia o resto →

A estupidez dos olés em Alvalade

Compreendo a deceção verde e branca: o Sporting fez mais para ganhar o jogo que o Benfica, parecia tê-lo conseguido tão perto do fim da partida que a vitória era certa, e depois aconteceu futebol – e os encarnados empataram. Desde que o Belenenses perdeu o campeonato, em 1955, muito por causa dos foguetes lançados antes do apito final, que desconcentraram os jogadores azuis – e motivaram os leões, que chegaram ao empate e “deram” o título ao Benfica –, habituei-me a não confiar na volatilidade do marcador. E custa-me,... Leia o resto →

A inteligência não é para todos

Na jornada em que, com exibições consistentes, o FC Porto continuou a ultrapassar problemas recentes e o Benfica mostrou já ter esquecido Enzo Pérez, o Sporting respondeu com o seu melhor desempenho dos últimos tempos, uma segunda parte de luxo contra o Rio Ave. E só uma superequipa leonina poderia ontem ter vencido os vilacondenses, um conjunto estruturado, sólido, bem dirigido e com um punhado de executantes que prometem largos voos. A lição a tirar da atitude dos leões – feita de talento e velocidade, alegria e determinação – é... Leia o resto →

Sporting: os dias de cólera

O Desportivo de Chaves cumpria uma época de grande estabilidade, a três pontos da subida e com bons desempenhos nas taças de Portugal e da Liga, quando a sua direção despediu Luís Norton de Matos. O Chaves acabara de empatar em casa com o líder, um resultado normal, que mantém as aspirações do clube, mas os dirigentes deram ao técnico, como razão para a dispensa, que a equipa podia fazer melhor. Não existindo motivos para se afastar quem sabe, quem julga que sabe dá essa desculpa. Claro que é sempre... Leia o resto →

 
Back to top