O vazio que levou Sousa Cintra à presidência

Com o Sporting em ebulição eleitoral e Sousa Cintra a recolher elogios pelo seu trabalho à frente da SAD, recupero hoje parte da entrevista do empresário ao jornalista Neves de Sousa (revista “Élan”, março de 1990). Cintra explica, ao pormenor, os avanços e recuos que o levaram à presidência do Sporting, em julho de 1989. Ei-lo em discurso direto e igual a si próprio. Ontem sim, hoje não. Há uns anos, um colega vosso que foi dirigente do Sporting, o Jaime Lopes, veio ter comigo para ver se eu queria... Leia o resto →

Sérgio Conceição, o recuperador de ativos

Naquele tipo de comentário esquizofrénico tão comum em Portugal, ecoam por montes e vales as odes de glória a Sérgio Conceição – agora que não resta outra coisa. Mas quero cair nesse pecado e insistir em fazer chover no molhado para sublinhar o que noto ser menos valorizado nas capacidades do treinador do FC Porto: a notável recuperação de jogadores a que com tanto sucesso se dedicou. Voltei a recordar esse “pormenor”, no sábado, na “manif” dos Aliados, perante duas imagens emblemáticas, ambas com o mesmo intérprete, o internacional mexicano... Leia o resto →

O dérbi, o campeão e três agoras

Os jogos têm quase sempre um momento que decide da sua sorte. O do último dérbi foi logo aos 8 minutos, quando o remate de Rafa fez a bola embater na trave. Não entrou então, não entraria nunca mais, é uma história já vista incontáveis vezes. Manda a verdade que não se recorde esse capricho do destino como fruto do azar de Rafa sem chamar também à colação o mérito de Rui Patrício, que condicionou muito, tornando-a imperfeita, a execução do extremo benfiquista. E podemos até encontrar um segundo momento... Leia o resto →

A renovação de Casillas ou a velha doença bipolar

É já um clássico. Quase todos os agentes desportivos, adeptos incluídos, sofrem de uma espécie de doença bipolar: tão depressa vivem nas nuvens como entram em depressão. O caso de Casillas é paradigmático. Quando o FC Porto o conseguiu contratar, a euforia foi total. Pela categoria do jogador, pela dimensão da marca, que ultrapassa o estatuto futebolístico, pela projeção mundial dos dragões, que claramente aumentou. Poucos valorizaram o esforço financeiro feito pelos portistas, tínhamos o Iker connosco e o resto era conversa. Porque o título de campeão não chegou e... Leia o resto →

A injusta Senhora dos Aflitos dos Últimos Minutos

Jogou tão pouco o Sporting nos anteriores desafios para o campeonato, que só a devoção, correspondida, pela Senhora dos Aflitos dos Últimos Minutos, com acompanhamento à Capela, evitou a perda de preciosos pontos. Mas ontem as preces já não foram ouvidas, numa partida em que os leões acabaram por cima e mereciam, enfim, que a sorte não os abandonasse. O sábio. Não se tratou só de sorte, mas também de duas intervenções enormes de Casillas, uma no início, aos pés de Doumbia, outra ao cair do pano, a apagar a... Leia o resto →

A violência, a impunidade e os maus exemplos

Se os árbitros que não resistem às pressões e não fazem orelhas moucas aos insultos devem dedicar-se a outra profissão, o certo é que quando se passa dos impropérios e das ameaças inconsequentes à violência física o caso deve mudar de figura: há que ter mão pesada com os agressores. Chocamos aí de frente com outro problema: a justiça comum tornou-se frágil perante os criminosos. Se um dos manos valentões que pontapeou com sanha assassina um jovem prostrado – ato de que existe prova em vídeo – já soma dez... Leia o resto →

A mais triste maneira de tratar Iker Casillas

Já aqui destaquei a extraordinária transformação que se deu na equipa do FC Porto desde que Sérgio Conceição assumiu o comando. Referi, também, a forte personalidade do treinador e a sua indiscutível capacidade de liderança. Mas isso não me leva a ficar calado perante a humilhação a que Sérgio, e a SAD portista por detrás dele, submetem Iker Casillas. Não vale a pena perder mais tempo a falar sobre a qualidade do guarda-redes, que dele fez – para além de todos os títulos que ganhou no Real Madrid –campeão da... Leia o resto →

Sérgio Conceição fez forte a “fraca gente”

Alguns treinadores, de que Lopetegui foi o último exemplo entre nós, têm por hábito exigir aos clubes não só a inevitável contratação de um séquito de adjuntos de confiança, como a de jogadores sobre os quais colocam o selo de garantia. Depois, um dia, partem com os amigos e não levam os entronchos. Compreendo o princípio: não se consegue liderar um projeto se houver demasiados inimigos atrás da porta e se não se puder constituir uma equipa que os identifique, controle e comece a correr com eles. E quando me... Leia o resto →

Um sábio chamado Iker Casillas

Nunca percebi o que leva futebolistas profundamente identificados com um clube a procurarem outro – por norma em fase adiantada do seu percurso profissional e a troco de um punhado extra de dólares. Não me refiro a casos que têm mais a ver com uma bem sucedida gestão de carreira do que com fatores emocionais, como o de Figo, que conseguiu sair do Sporting para estar cinco anos no Barcelona, outros cinco no Real Madrid e mais quatro no Inter, ou de Ricardo Carvalho, que ganhou a Taça UEFA e... Leia o resto →

Danilo saturado com vários pontos

Todos dizemos e escrevemos asneiras, todos erramos. Foi com a noção desta realidade – e uma imensa bonomia – que vivi os últimos 20 anos de carreira, trabalhando e convivendo com licenciados em comunicação social, e não só, cuja impreparação jornalística era estarrecedora. Com o tempo, tudo se tem agravado e alguns semi-analfabetos já são hoje editores e chefes, o que significa que nada de bom poderão ensinar àqueles que lideram e que estão, assim, condenados à ignorância eterna. Há dias, num canal que não identifico porque a nuvem negra do disparate... Leia o resto →

« Entradas mais antigas

 
Back to top