TV porno, a nova face da RTP

Com os crónicos défices de exploração suportados pelos nossos impostos, a RTP devia perseguir uma programação alternativa que honrasse o seu papel de serviço público. E consegue-o, por exemplo, à quarta-feira, com o “Cá por casa”, de Herman José, uma brisa de humor, boa conversa, talento e cultura qb. Afinal, superar os 300 mil espectadores de audiência média, na hora em que as novelas de TVI e SIC somam dois milhões, é uma proeza. O reverso da medalha – menos de 80 mil a ver, um desastre – acertou-me em... Leia o resto →

Obrigado, Cristina!

António Costa somou pontos – e intenções de voto – com um desempenho profissional no “Programa da Cristina”, que na terça-feira terminou com mais de um milhão de espectadores. Como é hábito, o primeiro-ministro utilizou a capacidade de ser ou parecer ser genuíno e mostrou-se tão à vontade a responder a questões de política como a preparar a caldeirada – tarefa “improvisada” que estudou ao pormenor, como se percebeu quando não deixou passar uma incomodidade que saltava à vista: os tomates não estavam lavados… Costa aproveitou também eficazmente a presença... Leia o resto →

SIC à frente e TVI a dormir

Algum dia a SIC teria de despertar do sono profundo com que ajudou a TVI a ser líder de audiências por 12 anos consecutivos. Foi por uma décima é certo – 18,6% contra 18,5% – mas conta na mesma e, em fevereiro. a estação de Paço de Arcos ficou finalmente à frente da de Queluz. O acordar da SIC deu-se em simultâneo com a estranha letargia da concorrente, o típico fenómeno português que faz com que os vencedores ocasionais julguem sê-lo em definitivo e adormeçam à sombra da bananeira. E... Leia o resto →

Televisão cerca António Costa

Na TVI, “Gente que não sabe estar”, de Ricardo Araújo Pereira, sublinha, como cabe a um programa de humor, as contradições, os absurdos e os erros dos poderosos. É um reforço natural para a oposição – menos alvejada pelas críticas por ser menos protagonista – e que vem juntar-se, no suplício do Governo, a “Deus e o Diabo”, de José Eduardo Moniz, na estação de Queluz, e “A procuradora”, de Manuela Moura Guedes, na SIC. São três pilares relevantes no desgaste a que se sujeita António Costa, como se não... Leia o resto →

A mártir de Paços de Ferreira

A multiplicação das reportagens de investigação – com que os diversos canais tentam acompanhar a “pedalada” da CMTV – está a revelar um novo artista: o intrujão descarado. Percebo essa fauna. Julgando-se muito espertos, acreditando ter cometido crimes perfeitos e temendo ver surgir uma Tânia, uma Ana ou uma Sandra à porta de casa ou do emprego, os “aldrabilhas” deixam-se entrevistar, sem ter noção que se vão espalhar à frente dos telespectadores e do país. Não menos patético é o caso dos impreparados para o mediatismo que têm de dar... Leia o resto →

« Entradas mais antigas Posts mais recentes »

 
Back to top