A Seleção vai inexplicavelmente no rumo certo

“In illo tempore”, viviam ainda os professores na ilusão da terra onde escorria o leite e o mel, era a estrelinha de António Costa que empalidecia, com os Kamov avariados, as capoeiras por restaurar, a pressão dos lóbis a exigir mais meios, enfim o verão bombeiral a ameaçar deixar tudo descalço outra vez. Mas a entrada em parafuso do presidente do Sporting aspirou o interesse dos média e as emoções da canalha com a gula com que o papel mataborrão absorve a tinta – e Costa refugiou-se no limbo. Encravado,... Leia o resto →

Jogámos a passo, devagar e devagarinho, à espera do mesmo de sempre

A bola sobe fora do alcance do mais alto da barreira, Piqué, faz a barba a Busquets, que estica a cabeça em desespero sem lhe conseguir tocar e desce para a gaveta de De Gea, incapaz de reparar, com uma defesa impossível, o seu erro descomunal no segundo golo de Cristiano: e assim fez o capitão, ao cair do pano, o imerecido empate para Portugal. Imerecido não é talvez o termo adequado porque no futebol não há justiça e os protagonistas é que contam, sejam 11 ou apenas um, como... Leia o resto →

A injusta Senhora dos Aflitos dos Últimos Minutos

Jogou tão pouco o Sporting nos anteriores desafios para o campeonato, que só a devoção, correspondida, pela Senhora dos Aflitos dos Últimos Minutos, com acompanhamento à Capela, evitou a perda de preciosos pontos. Mas ontem as preces já não foram ouvidas, numa partida em que os leões acabaram por cima e mereciam, enfim, que a sorte não os abandonasse. O sábio. Não se tratou só de sorte, mas também de duas intervenções enormes de Casillas, uma no início, aos pés de Doumbia, outra ao cair do pano, a apagar a... Leia o resto →

Os gremlins andam doidos nas redes sociais

A altura é má, vivemos desesperados com a tragédia de Pedrógão, é como se cada um de nós tivesse lá perdido alguém: e todos perdemos, essa é a verdade. Só nas redes sociais, em especial no Twitter – que é por onde navego em dias de jogos importantes – nada parece travar os maluquinhos. Ia a escrever incendiários mas não há de momento pior palavra. Alfaces. Podiam ter aprendido com a frustração que tiveram no Europeu, quando as críticas implacáveis aos jogadores e ao selecionador esbarraram na conquista do título... Leia o resto →

Sporting venceu o dérbi dos barbudos

Orgulho-me de ter feito parte da frente de jovens portugueses que antes de 25 de abril de 1974 deixaram crescer barbas e cabelos como forma de protesto contra a ditadura. A referência era Ernesto Che Guevara, Fidel Castro e o seu grupo de guerrilheiros cubanos, que ao descerem da Sierra Maestra até Havana, para derrubar Fulgêncio Batista, em 1959, fizeram com que os inimigos procurassem diminuir-lhes a proeza, classificando-a como a “revolução dos barbudos”. O poster do Che. A imagem clássica de Guevara – que morrera nas selvas da Bolívia,... Leia o resto →

O Palhinha que ficasse no Restelo, ora!

Hoje podem ser de novo 10 pontos a separar o Sporting do líder, reforçando-se com isso a forte candidatura dos leões ao 3.º lugar, que dará ainda esta temporada acesso a uma pré-eliminatória da Liga dos Campeões. Tanto mais que Sp. Braga e V. Guimarães se dedicam nesta fase mais à contemplação das planícies do que ao futebol. Dois pormaiores. Como quase sempre, o clássico do Dragão decidiu-se nos pormenores, diria até nos pormaiores: um com 1 metro e 89 de altura e outro com 1 e 96. O primeiro... Leia o resto →

E Rui Vitória não foi comido de cebolada

Fui leitor e telespectador atento das dezenas de previsões que ao longo da semana se fizeram sobre o dérbi e antes do jogo tinha uma certeza: Rui Vitória estava tramado. Tudo indicava, acreditando nas teses dos cientistas, que lhe ia acontecer aquilo que mais teme na vida – ser comido de cebolada. Aliás, o treinador do Benfica vai ter ainda muito que sofrer até lhe reconhecerem os méritos sem més nem meios més, pois mal o apanharam com duas derrotas consecutivas logo o crivaram de balas. Desastre. O principal problema... Leia o resto →

João Pereira e o seu outro eu

Tal como não se pode fugir ao destino, também da fama de ter maus fígados não nos livramos. Estou a pensar em João Pereira, esse desistente de carreira que o olho de falcão, perdão, o olho de lince de Jorge Jesus em hora feliz foi buscar à prateleira dos infernos. Duelo. O jogador começou por corresponder à confiança do técnico, teve a seguir um período em que perdeu o duelo com Schelotto, mas voltou ao de cima, reconquistando o lugar no onze. Renegado. Ontem, Pereira estava a jogar bem até... Leia o resto →

Rui Vitória: o quarto falhado faltou ao encontro

A vida corre favorável a invejosos, frustrados e ressabiados. José Mourinho está a 8 pontos do líder na Premier, Cristiano Ronaldo soma desafios sem marcar na liga espanhola, e Jorge Jesus, agora a 5 pontos do Benfica, ainda não deixou a rampa de lançamento do falhanço da temporada passada e arrisca-se a voltar a não chegar ao título. Afinal, esses deficientes de caráter têm sempre razão: apostam na desgraça dos outros sabendo que a morte é certa e exultam logo que os bem- sucedidos da vida pareçam tão zeros à... Leia o resto →

Derrota injusta do Sporting? Contra o destino, nada feito

Em dez jogos em casa para início da Liga dos Campeões, o Real Madrid obteve dez vitórias. E isso aconteceu tanto a jogar bem como a não dar uma para a caixa, como ontem – ou como sucede, vendo bem as coisas, desde a última época de José Mourinho, quando os barões do balneário merengue se dedicaram, com pleno êxito, mais à intriga do que ao futebol. A esse peso estatístico chama-se destino e contra o destino, nada feito. Os leões ainda ousaram desafiá-lo até ao minuto 89, aquele em... Leia o resto →

« Entradas mais antigas

 
Back to top