O caminho que resta a António Costa para restaurar a confiança perdida

Os últimos dias não deixam margem para dúvidas: por longos meses, iremos ter reportagens diárias sobre o atraso na recuperação das áreas ardidas, com deputados da oposição a aproveitarem o maná e os canais de TV a seguir-lhes as pegadas, pelo menos até surgirem as cheias ou outras desgraças. O engodo é irresistível, pois por muito que se trabalhe no terreno descobrir-se-á sempre alguém que ainda espera, um recanto em cinzas onde a reconstrução não chegou. É só ir lá e montar o arraial. Se tiver a noção clara de... Leia o resto →

Só good news para António Costa

Na segunda-feira em que escrevo esta coluna prevê-se para quarta o anúncio da candidatura de Rui Rio à presidência do PSD e aguarda-se que Pedro Santana Lopes avance igualmente para o duelo grisalho de punhos de renda. Paulo Rangel, que após a bênção de Passos Coelho mais facilmente conquistaria o aparelho e poderia mandar, retirou-se antes de se apresentar, e Luís Montenegro, que se afastou da liderança parlamentar com a precisão de um relógio suíço, optou por intervir por fora. Duplo de Passos, este não é o seu tempo. São... Leia o resto →

António Costa passou por cima da passadeira de Gomes Ferreira

No último fim de semana, António Costa esteve no “Alta definição”, da SIC, e respondeu às perguntas com sorrisos rasgados: afinal, o ambiente é “friendly” e o primeiro-ministro limitou-se a desfilar pela passadeira vermelha dos convidados de Daniel Oliveira. Creio que a gravação da entrevista se fez por altura de outra – transmitida antes, em direto, também na SIC, e conduzida por José Gomes Ferreira – já que o tom amigável de António Costa se manteve, com a sua estratégia de bom humor a impor-se à excessiva e confusa confrontação... Leia o resto →

Ambição no pós-2020 e Metro no século passado

Enquanto Passos Coelho retoma a velha obsessão pela reforma da Segurança Social – no que mais não pretende do que cortar as pensões contributivas em pagamento, uma sanha persecutória que parece ser o seu grande projeto político – Assunção Cristas traça um caminho autónomo para o CDS e no duelo autárquico enfrenta Fernando Medina, o Adamastor que sabe não poder vencer. E com Carmona Rodrigues ao lado, então, arrisca-se ao desastre. Há dias, querendo contribuir “com rasgo, horizonte e ambição” para a solução do endémico problema dos transportes públicos na... Leia o resto →

António Costa desprezou uma regra dos manuais

Desde que Carmona Rodrigues, em declarações ao Expresso, atribuiu a Fernando Medina a responsabilidade por uma cratera que se abriu na Avenida de Ceuta, que eu não me ria tanto como agora, com a zanga de compadres na candidatura à Câmara do Porto. Começo por achar graça a Rui Moreira, que percebeu tarde que estava a ser embrulhado na trama da aparelhite partidária, sempre sequiosa na autarquia dos lugarzinhos que não consegue na vida profissional – que, aliás, raramente tem. Convencido de que é uma espécie de deus na Invicta,... Leia o resto →

Do “enlameado” Passos ao “mal-educado” Costa: arrufo de comadres

Na última quarta-feira, com os canais de informação a transmitirem o debate quinzenal com o Governo na Assembleia da República, o primeiro-ministro, no meio de mais uma feia querela com o PSD, regozijou-se pelo direto televisivo desses jogos florais, porque isso permitiria aos portugueses avaliar quem tinha razão. É um erro crasso, esse de pensar que a opinião pública identifica o arcanjo quando meia-dúzia de querubins se engalfinha na disputa do cetro de quem berra mais alto e consegue ser mais vulgar. É evidente que os incondicionais de um e... Leia o resto →

A cara de pau de Passos Coelho

Não tenho partido e decido sempre o meu voto no próprio dia das eleições. Já elogiei Passos Coelho, em quem votei em 2011 para me ver livre de Sócrates, aprecio a sua determinação e o sentido de estado com que encarou a ameaça de bancarrota e a ultrapassou. Mas estou farto. Um ano devia ter chegado para pôr de lado o ressabiamento resultante do “ganhei as eleições”, só que isso não aconteceu e já não se pode ouvir a ladainha diária das catástrofes em que se especializou. Hoje, o Tribunal de Contas... Leia o resto →

Podíamos estar melhor? Sim, bastava continuar a roubar

A última sondagem da Universidade Católica penaliza fortemente o PSD e a sua liderança ao colocar o PS próximo da maioria absoluta. Mas os 97 por cento de popularidade atribuídos nesse estudo ao Presidente da República dão às palavras de elogio de Marcelo ao Governo um peso só suportável por Passos Coelho porque ele dispõe de uma determinação de ferro. Pena é que nessa determinação não exista mais argúcia e outra estratégia, e Passos insista em meter-se num beco, ao proclamar, dia sim dia não, que o futuro dos portugueses... Leia o resto →

Web Summit, a oportunidade perdida

Cinquenta mil pessoas e 15 mil empresas de 164 países estão em Lisboa para o Web Summit, que termina esta quinta-feira e constituiu um sucesso de participação de investidores, geeks, empreendedores, grandes empresas e gestores de topo. Tudo parece maravilhoso até se levantar a questão: o que fica depois da partida de Suas Inteligências? Enquanto a Câmara da capital avança com um hub criativo na zona do Beato, o Governo duplica o apoio de 200 milhões de euros às startups para investir em capitais de risco, em 2017, e avança... Leia o resto →

A lembrança de Constança

Estou seguro que não faltará quem deteste a ministra Constança Urbano de Sousa – a que um pivô de telejornal chamou há dias Constança Cunha e Sá – pelo facto de ser mulher ou, nos casos de maior tolerância, por ser uma mulher a tutelar a complexa pasta da Administração Interna, que tem sob a sua alçada instituições com tarefas, soit-disant, próprias para homens. Goste-se dela ou não, a verdade é que a ministra foi, como outros, trucidada pela imparável brutalidade de uma onda de incêndios como quase não há memória,... Leia o resto →

« Entradas mais antigas

 
Back to top