A mártir de Paços de Ferreira

A multiplicação das reportagens de investigação – com que os diversos canais tentam acompanhar a “pedalada” da CMTV – está a revelar um novo artista: o intrujão descarado. Percebo essa fauna. Julgando-se muito espertos, acreditando ter cometido crimes perfeitos e temendo ver surgir uma Tânia, uma Ana ou uma Sandra à porta de casa ou do emprego, os “aldrabilhas” deixam-se entrevistar, sem ter noção que se vão espalhar à frente dos telespectadores e do país. Não menos patético é o caso dos impreparados para o mediatismo que têm de dar... Leia o resto →

Dois casos de desafio à autoridade do Estado

A semana foi dominada na TV pela exposição das cruéis consequências da paralisação dos enfermeiros e por mais um crime horrendo, o assassínio de avó e neta – dois casos de desafio à autoridade do Estado. A “greve cirúrgica” há muito que merecia resposta firme do Governo, pois mais importante do que o tantas vezes sublinhado “inalienável direito” dos profissionais de enfermagem a pararem é o sempre esquecido – e não menos inalienável – direito dos doentes a serem tratados. Desde que se iniciou o conflito, quantos pacientes morreram ou... Leia o resto →

Naufrágio matinal na TVI

Adormeço tarde a ver séries e tarde acordo, embora sempre a tempo de acompanhar, por alguns minutos, o grande duelo das manhãs televisivas. “Sou feliz tanto na vitória como no fracasso”, dizia há dias Manuel Luís Goucha – numa frase que carrega a assunção dos momentos difíceis. E incompreensíveis face à previsibilidade dos efeitos do furacão Kristina e aos meses de que a TVI dispôs para se preparar. Na última quarta-feira, mal me liguei à atualidade, assisti a um autêntico “happening” com a marca de Cristina Ferreira. Em estúdio, crianças... Leia o resto →

SIC despreza três décadas de formação de opinião

Se o princípio de um ano convida à mudança, a transferência de serviços para instalações mais modernas funciona como gerador de criatividade e de descoberta de novas energias. É o que parece estar a acontecer na SIC, que ao sair de Carnaxide para o edifício de Paço de Arcos aproveita para fazer um “refresh” no canal de notícias, o tal que a estação apresenta, falsamente, como líder na informação. No início desta semana – só para dar um exemplo recente – a CMTV obteve uma audiência muito superior à de... Leia o resto →

O carro do amor ou o carro do circo?

Quando se estreou, “O carro do amor”, da SIC, parecia dar continuidade ao êxito de “Casados à primeira vista”, até por ter mantido Diana Chaves e os especialistas do “dating show” anterior com maior capacidade de comunicação: Cris Carvalho e Eduardo Torgal. Já a TVI, com “O primeiro encontro”, apresentou apenas o trunfo Fátima Lopes e um príncipe do nada, procurando somente o entretenimento, sem lhe juntar, como fez a SIC, alguma formação comportamental que valorize os conteúdos e ajude a iniciar relações amorosas, não na televisão mas na vida.... Leia o resto →

O telefonema de Marcelo a Cristina e a falta de noção do ridículo

“O preço certo”, da RTP, voltou a liderar no acesso ao “prime time” – na terça-feira e na quarta foi mesmo o quinto programa mais visto do dia, com grande vantagem sobre os “dating shows” da SIC e da TVI. É o esplendor do fenómeno Fernando Mendes, o terceiro vértice do triângulo de popularidade em TV, com Goucha e Cristina. De um modo elevado que o engrandece, o ex-Gordo aproveitou um “direto” do concurso para brincar com o telefonema do Presidente a Cristina, ao contrário dos “zés-ninguém” que nas redes... Leia o resto →

Maria Cerqueira Gomes perde e ganha

A expectativa pela estreia de Maria Cerqueira Gomes no “Você na TV”, da TVI, na quarta-feira, teve a expressão esperada na audiência média: mais de meio milhão de telespectadores, o triplo dos que viram essa pobreza que é o “Alô Portugal”, da SIC, e o quádruplo (!) dos seguidores da “Praça da Alegria”, da RTP1. Mas logo no dia seguinte, a Maria e o Manel perderam quase 100 mil espectadores, metade dos quais a favor da dupla concorrência. Não será um bom sinal para o futuro, ainda que esse futuro... Leia o resto →

“Casados à primeira vista”: pessoas em vez de grunhos

Inebriada pelo êxito de “Casados à primeira vista”, a SIC deu sinal de quebra no combate à concorrência, no dia de Natal. Enquanto, na TVI, Fátima Lopes oferecia o corpo às balas, Daniel Oliveira optava por deixar Dona Júlia à lareira e enchia a programação de filmes, alguns com barbas. Mas o que parecia – a um ignorante na matéria como eu – ir tornar-se numa catástrofe para a SIC, resultou num banho de audiências na TVI, um aperitivo para o duelo do início do ano, quando Cristina Ferreira enfrentar,... Leia o resto →

Moniz e Dinis

Durante quase três anos, a política de recuperação de rendimentos de António Costa fez a vida negra à oposição. Mas as greves sucessivas de 2018 adubaram o terreno antes infértil da alternativa democrática, sem que Rui Rio crescesse nas sondagens ou que elas expressassem os desacertos do Governo. E foi preciso a comunicação social reforçar a sua missão de contrapoder – tarefa em que a CMTV têm estado praticamente só – para que se atacasse com maior intensidade a consequência perversa da propaganda: a dificuldade dos cidadãos em distinguirem a... Leia o resto →

Casados e obrigados a ser porcos

Ao contrário do que se possa pensar, o sucesso de “Casados à primeira vista” entre nós não resulta apenas do conceito original, já que a SIC o adaptou à realidade portuguesa – e à captação de audiências – com os “diários”, os “extras” e a introdução, no conteúdo, de uma forte componente de “reality show”, expressa nos repetidos jogos de “grupo”. Nem tudo são rosas nesse percurso, como vimos esta semana nas peripécias na mata, um trabalho lamentável que fez recuar o campismo mais de meio século e que deu,... Leia o resto →

« Entradas mais antigas

 
Back to top