Sócrates e Cavaco: a sombra e o fantasma

Não sinto hoje simpatia por José Sócrates e por Cavaco Silva, em quem votei e que me dececionaram por motivos muito diferentes, um dos quais é comum aos dois: a forma rancorosa como olham para os seus adversários políticos, um tique de gente pequena, lamento dizê-lo.

O ex-Presidente lançou agora um livro que considera uma apresentação de contas aos portugueses, sabendo que 99,9% deles não terá acesso à sua leitura ou não verá qualquer interesse no tema. Mas o que a obra revela é uma obsessão por acertar contas com os que se opuseram ao autor, de que é exemplo a classificação de sonolentas que dá às conversas institucionais com Mário Soares, uma pérola de decência à dimensão da oportunidade: Soares já não pode devolver-lhe a parada, e a sua partida, ainda há pouco mais de um mês, torna mais chocante a afronta inútil.

Mas o sentimento revanchista atinge o ponto alto na descrição da sua relação com Sócrates e aí Cavaco – que estará, não duvido, cheio de razão em boa parte do que escreve – volta a perder. Porque malhar politicamente no ex-primeiro-ministro é, por estes tempos, uma triste moda: não se bate num homem caído. Sócrates achará que não, mas o que segue de pé é apenas uma sombra que vagueia e que só um fantasma se lembraria de desafiar.

Observador, Sábado, 23FEV17

Os comentários estão fechados.