Só um milagre salvará o Real

Depois de não ter conseguido vencer o Borussia na fase de grupos, e de ter seguramente sorrido ao ver, na véspera, o Bayern aplicar “chapa 4” à que já foi, e não é seguro que não volte a ser a melhor equipa do Mundo, o Barcelona, esperava-se – esperava eu, pelo menos – um Real Madrid diferente em Dortmund.

Diferente em que sentido? Desde logo, na velocidade, na pressão sobre a bola. E na postura: milionários de fato de macaco, como se impunha. Depois, nomeadamente na segunda parte – após o fortuito golo do empate, obtido mesmo antes do intervalo –, esperava uma atitude de contenção, de preenchimento do meio-campo e de poucos riscos no ataque. Resumindo: de “autocarro” estacionado à entrada da área.

Certo que o Real é o Real e não pode dar-se a essas “humilhações” estratégicas. Mas o resultado do à vontade e até de alguma sobranceria está à vista: fora da final pela terceira época consecutiva – se Mourinho e a sua boa estrela não conseguirem o milagre.

Como madridista, tenho essa fé, embora nesta fase da vida já acredite menos naquilo que a razão não admite.

Passe curto, publicado na edição impressa de Record de 26 abril 2013 

D epois de não ter conseguido vencer o Borussia na fase de grupos, e de ter seguramente sorrido ao ver, na véspera, o Bayern aplicar “chapa 4” à que já foi, e não é seguro que não volte a ser a melhor equipa do Mundo, o Barcelona, esperava-se – esperava eu, pelo menos – um Real Madrid diferente em Dortmund.
Diferente em que sentido? Desde logo, na velocidade, na pressão sobre a bola. E na atitude: milionários de fato de macaco, como se impunha. Depois, nomeadamente na segunda parte – após o fortuito golo do empate, obtido mesmo antes do intervalo –, uma postura de contenção e de preenchimento do meio-campo, de poucos riscos no ataque e de “autocarro” estacionado à entrada da área.
Certo que o Real é o Real e não pode dar-se a essas “humilhações” estratégicas. Mas o resultado do à vontade e até de alguma sobranceria está à vista: fora da final pela terceira época consecutiva – se Mourinho e a sua boa estrela não conseguirem o milagre. Como madridista tenho essa fé, embora nesta fase da vida já acredite menos naquilo que a razão não admite.Passe curto

Partilhar

Os comentários estão fechados.