Salazar e a razão de Victor Moura-Pinto

A TVI classifica de “crónica política” umas graçolas sobre um conjunto de “apanhados” de personalidades que percorrem o país. No domingo, na rubrica “Seis por meia dúzia”, do “Jornal das 8”, Victor Moura-Pinto reuniu – e legendou com “mhons”… – diálogos de comes e bebes na Feira de Santarém, em que ficámos a saber que Marcelo gosta de línguas de gato Roveredo, Catarina tem rinite alérgica, Costa acha que o porco preto é o melhor ou que Rio entende que devíamos exportar comentadores.

O repórter-cronista ligou os dez minutos (!) de retalhos com frases rebuscadas da sua lavra, como “azeitar está-lhes no sangue”, “singelo é, o vinho o põe” ou “a política segue noutras barraquinhas com a habitual farra orçamental” – tendo como alvos da chacota o Presidente, o primeiro-ministro e os líderes partidários. E acrescentou ao trabalho uma banda sonora com Rosinha, Zé do Pipo e poemas de fino recorte, tipo “eu faço sempre de coentrada” ou “a minha mulher adora que lhe dê leite a beber”. Um grande plano rápido dos pelos numa orelha de Marcelo ficou também como sinal de falta de respeito e de mau gosto.

Os objetivos da crónica aponta-os o próprio autor, pondo a sentença em bocas anónimas: “O dinheiro que a gente está a pagar a estes gajos todos” e “o Salazar é que tinha razão”. Mas não tinha – nem Salazar razão, nem Moura-Pinto necessidade.

Antena paranoica, Correio da Manhã, 14JUL18

Partilhar

Os comentários estão fechados.