Um desastre português na Vuelta

Noventa (!) ciclistas terminaram a etapa de hoje da Vuelta, entre o 69.º e o 160.º lugar, a 24m e 47s do vencedor. Entre eles, os portugueses Rui Costa, Nelson Oliveira e Ricardo Vilela. Só houve um corredor que não aguentou o andamento cicloturístico desse “pelotão dos sprinters” e chegou na 161.ª e última posição, a 25m e 24s. Quem foi? Acertou leitor: Rafael Reis, o português que faltava. Com uma ou outra exceção, tem sido este o desempenho dos nossos ciclistas na Volta à Espanha. Depois, claro, ainda temos... Leia o resto →

Voltou o pesadelo de Fábio Coentrão

A Seleção lá ganhou uma vez mais à tangente, cumpridora no objetivo mas pálida na exibição, como quase sempre. Nem quando passaram a jogar contra dez os nossos puxaram pelos galões do seu (muito) melhor futebol e marcaram um segundo golo tranquilizador, pelo que nos aconteceu o habitual – sofremos sem necessidade. Mas estamos a duas vitórias da qualificação direta para o Mundial, pelo que, como diria Jorge Jesus, siga para bingo. Quero destacar quatro jogadores: André Silva, o homem que decidiu a contenda, Cristiano Ronaldo, que paga a fatura... Leia o resto →

Certa não é a vitória, certa é a estupidez

Só paciência dos leitores e do diretor do CM permite que se cumpram hoje sete (!) anos de “Antena paranoica”. Grato pelo privilégio. Gostaria de me focar apenas no caso daquela juíza que se condoeu do “arrependimento” de um violador – que em dois anos tudo fez para não ser apanhado – e o libertou, não valorizando tanto a vida destroçada da mulher violada. Quando a justiça põe a eventual reabilitação do criminoso à frente dos direitos da vítima, é a civilização que cede à barbárie. Mas a greve de... Leia o resto →

Manuel dos Santos nos 125 anos da praça do Campo Pequeno

Assinalou-se, no agosto findo, o 125.º aniversário da inauguração da praça do Campo Pequeno, ex-libris de Lisboa e uma catedral do toureio que faz parte de um tempo da minha vida que desapareceu. Na década de 60, cresci a ver as transmissões da RTP, em direto do Campo Pequeno, e assisti, por vezes ao vivo, à fase de declínio de dois ícones da festa brava: Salvação Barreto e Manuel dos Santos – ambos já retirados e com atuações esporádicas. Referi aqui o primeiro, em abril, a propósito da sua pega... Leia o resto →

E Cristiano já é terceiro…

Com Mbappé no PSG (com 180M€ obrigatórios dentro de um ano), eis a lista das 16 mais caras transferências de sempre no futebol (todas realizadas nos últimos oito anos), com as taxas de inflação anual acumuladas já aplicadas e os valores atualizados a 2017 – os de 2016 mantêm-se e as verbas envolvidas, por vezes diferentes nos órgãos de comunicação social, são as indicadas na Marca. 1. Neymar: 222M€ PSG 2017 2. Mbappé: 180 M€ PSG 2017 3. Pogba: 105M€ Manchester United 2016 3. Dembelé: 105M€ Barcelona 2017 3. Cristiano... Leia o resto →

Os 60 milhões de euros do Benfica não ganham os jogos

Nos últimos anos, reforçou-se a ideia de que aumenta o fosso que separa os três grandes do nosso futebol dos seus concorrentes. E Manuel Machado, após ser despachado com “apenas” três secos no Dragão – e antes de ser despachado com mais três secos, agora em casa e pelo Tondela… – recorreu à teoria para justificar a derrota. Não que não seja um facto a enorme diferença de recursos financeiros entre os gigantes e os pequenotes, mas há que ter em conta que a proporção não é direta entre os... Leia o resto →

Uma semana péssima para a sanidade mental

Nada corresponde a um raciocínio lógico e estamos cada vez mais dependentes dos fazedores de opinião, o que é outro problema: nem todos são recomendáveis. A semana foi péssima para a sanidade mental. Os efeitos colaterais do massacre de Barcelona foram igualmente arrasadores. Percebe-se que, numa pequena cidade, se possam reunir centenas de litros de acetona e de botijas de gás sem dar nas vistas? Percebe-se que a polícia catalã mate – numa área rural e podendo apenas feri-lo – o principal responsável pelo atentado, que haveria todo o interesse... Leia o resto →

Bárbara Guimarães: a verdade de uma investigação jornalística

A capa da antepenúltima edição da SÁBADO fez-me recuar 16 anos, ao agosto de 2001 em que o Tal&Qual, semanário que então dirigia, se preparava para revelar que o anunciado casamento de Bárbara Guimarães com Manuel Maria Carrilho não poderia realizar-se porque a apresentadora da SIC havia contraído matrimónio na República Dominicana, em 1999, com Pedro Miguel Ramos. A notícia chegara-me de fonte segura mas, a poucos dias da cerimónia anunciada com pompa, o advogado dos noivos ameaçou processar-nos, pelo que enviei um repórter a Punta Caña com a missão de trazer a... Leia o resto →

Insígnias da FIFA e da ordinarice

Quando me iniciei no jornalismo, havia três caraterísticas dominantes nas redações: fumava-se muito, abusava-se dos cafés e falava-se mal – eram palavrões para a frente e para trás. Essa linguagem desbragada utilizava-se coloquialmente ou quando os pares se zangavam. Com uma ou outra exceção, os mais velhos não recorriam ao palavrão se tinham de meter a maralha na ordem. Por um motivo simples que se respeitava nesses idos de 60 e 70: não humilhar os mais novos e os mais fracos. Recordo particularmente o sr. Silva, na redação do “Diário... Leia o resto →

Dois meses depois, só um fantasma

Agosto anda maluco por cá. Como se não chegasse a brutalidade dos incêndios, cai um avião na praia e tomba um carvalho na romaria, ou seja, nem precisávamos que nos atingisse o terrorismo para chorarmos mortos e feridos. Portugueses que somos, interessa-nos primeiro conhecer o número de vítimas e, mesmo antes disso, começamos a procurar culpados, ainda que a força da natureza seja incontrolável e o diabo espreite atrás da porta – e contra isso o homem tenha o peso do grão de areia. A televisão complica a vida aos... Leia o resto →

« Entradas mais antigas Posts mais recentes »

 
Back to top