Off-Side: o patinho feio chegou há 35 anos

A 1.ª página do Off-Side n.º1, de outubro de 1992

No início da década de 80, A Bola vivia um período áureo, e a Gazeta dos Desportos e o Record lutavam mais para sobreviver. Em outubro de 1982, quando a editora CEIG lançou um semanário sobre desporto, o Off-Side, com uma linguagem diferente e conteúdos inovadores – nós dizíamos ser o outro jornal – os desportivos clássicos olharam para o recém-nascido com indiferença e sobranceria: disto só nós é que percebemos, o que é que estes tipos querem agora? Dos tipos, eu era dos mais velhos, havia muita malta nova – na hora do arranque e a chegar.

Recordo-me da simpatia declarada de Vítor Santos, nome de referência da Bola, cuja grandeza não aceitava o despeito, e de Joaquim Queirós, da Gazeta, que compreendia que a chegada de um novo parceiro aumentaria o interesse global pelos desportivos.

Curiosamente, na altura, foi o Record que se sentiu ameaçado pelo patinho feio, aguardando o desfecho previsto: lançado sem recursos financeiros, num mercado conservador, o Off-Side dificilmente sobreviveria. E finou-se, de facto, no final de 1984, deixando uma brisa de mudança. A imprensa desportiva passou a ser outra e, modéstia à parte, melhor. Devia, até, ter mudado mais, como sabemos hoje.

Em 13 anos e meio de SÁBADO, referi-me inúmeras vezes ao Off-Side. Talvez esta seja a última – alguma será – pelo que daqui saúdo os companheiros de há 35 anos. Chapeau!

Parece que foi ontem, Sábado 1NOV17

Os fundadores: Alexandre Pais, Manuel Falcão, Carlos Andrade, Rui Tovar, Marques Valentim, Mário Ribeiro, Luís Rodrigues, Rui Raimundo, João Bonzinho, Joaquim Raposo, José Calheiros, Ilídio Trindade e Teresa Viana

Os comentários estão fechados.