O caminho que resta a António Costa para restaurar a confiança perdida

Os últimos dias não deixam margem para dúvidas: por longos meses, iremos ter reportagens diárias sobre o atraso na recuperação das áreas ardidas, com deputados da oposição a aproveitarem o maná e os canais de TV a seguir-lhes as pegadas, pelo menos até surgirem as cheias ou outras desgraças.

O engodo é irresistível, pois por muito que se trabalhe no terreno descobrir-se-á sempre alguém que ainda espera, um recanto em cinzas onde a reconstrução não chegou. É só ir lá e montar o arraial.

Se tiver a noção clara de que a renovação da confiança que o País perdeu na ação do Governo é uma tarefa que nunca poderá concluir-se, António Costa seguirá a sugestão de Assunção Cristas e criará uma “unidade de missão” – ou “estrutura de missão”, como prefere Marques Mendes – para coordenar os esforços de regeneração do interior.

Mas o descrédito é tão forte e a sanha dos adversários é tão grande, que não bastará a Costa arranjar essa equipa interministerial. Não. Há que lhe encontrar um porta-voz, um bom comunicador que semanalmente – ou a toda a hora – dê conta pública do que foi entretanto concretizado. Cansar a oposição, abusando da TV na exibição sistemática da obra feita, é o caminho que lhe resta. E é se quer.

Antena paranoica, Correio da Manhã, 28OUT17

Os comentários estão fechados.