É triste fazer de “Ellen” dos pobrezinhos

Ao serviço do “Queridas Manhãs”, da SIC, a economista Florbela Oliveira avançou para Alambique, Tondela, ao encontro do pedido de ajuda de uma família que perdeu quase tudo. Sobrou a casa principal, onde hoje vivem nove pessoas, salva à “mangueirada” pelo patriarca do agregado.

Reduzida a cinzas ficou ainda a pequena ordenha que constituía a base do sustento – e desapareceram as 130 ovelhas e o seu pastor. Naturalmente tocada, a repórter ocasional acabou abraçada a uma das vítimas e garantiu: “Sou chata como a potassa, sou terrível, miudinha e persistente, vou ajudá-la, lhe garanto!”

Quatro elementos da família vieram então da Beira aos estúdios, para meia hora de emoção televisiva, na expetativa de saberem que apoio receberiam. Júlia Pinheiro liderou a conversa e apontou “os conhecimentos e a capacidade de se mexer” da “doutora Florbela” – que resumiu a situação, enumerou subsídios e prometeu “agilizar” os processos. E tudo terminou com nova declaração de nobres intenções por parte de Júlia Pinheiro, que concluiu: “Para esta gente, uma grande salva de palmas”.

Deve ser triste fazer de “Ellen” dos pobrezinhos e ajudar só com aplausos e abraços – porque daquilo com que se compram os melões é que desgraçadamente não temos.

Antena paranoica, Correio da Manhã, 4NOV17

Os comentários estão fechados.