Dez anos depois, a verdade sobre Ricardinho, ah, pois é!

Na sua página do Facebook, o jornalista Nuno Farinha, diretor adjunto do Record, prova como estava certa uma manchete que fizemos há 10 anos, que o Benfica muito contestou e que fez com que os energúmenos do costume nos dirigissem os impropérios que os distinguem das pessoas normais. Aqui reproduzo, com a devida vénia, o texto do Nuno. E quanto aos anormais, é aumentar a medicação.

A VERDADE 10 ANOS DEPOIS

Em junho de 2007, o Record fez uma primeira página que garantia que Ricardinho, o craque do futsal do Benfica, iria treinar com a equipa principal de futebol das águias e tentar convencer Fernando Santos, o então treinador da equipa em que jogavam Rui Costa, Nuno Gomes e Miccoli. A notícia foi assinada por mim e pelo meu colega Filipe Duarte Santos. Foi um escândalo. Fomos tratados como tontinhos, criadores de “notícias”, desestabilizadores e sei lá mais o quê.

O Benfica desmentiu. A concorrência riu-se e gozou o prato. Os leitores descarregaram no Record. E, porque tenho boa memória, creio que até internamente houve quem tivesse tido dúvidas sobre a sanidade mental dos autores da notícia. Não foi o caso do diretor, Alexandre Pais. Que ouviu a nossa explicação para o desmentido do Benfica – que tinha apenas decidido recuar porque pretendia que a experiência fosse feita em segredo e isso já não seria possível.

No dia seguinte, nova primeira página. “Notícia Record levou Benfica a recuar. DESCULPA LÁ, RICARDINHO.” O trabalho fez-se exatamente como tinha de ser feito. Parecia estapafúrdio? Se calhar, parecia. Mas o que interessa isso? Era verdade? Sim. Tínhamos a certeza? Sim. Conte-se. Escreva-se. Durante 10 anos, para muita gente, fomos os malucos, os totós, os mentirosos, os desestabilizadores.

Até ontem, 8 de novembro de 2017. Em entrevista à Eurosport espanhola, o melhor jogador do Mundo de futsal disse: “Aos 22 anos, fiz uma das melhores temporadas no Benfica. O Fernando Santos (treinador de futebol dos encarnados na altura) convidou-me para fazer a pré-época. Isso disparou de tal maneira que se tornou impossível, pois eles queriam esconder o assunto mas este acabou por saltar cá para fora. Foi um momento em que pensei nisso mas o futsal acabou por sair por cima”.

OBRIGADO, RICARDINHO. Quanto aos outros, tenham paciência.

Os comentários estão fechados.