A velharia de Fernando Santos

Quando Fernando Santos chegou à Seleção, os mesmos plumitivos que aplaudiram as saídas de Scolari e Paulo Bento, “autorizaram” a nomeação do selecionador nacional com a alegação de que ele iria ter de renovar uma equipa envelhecida.

O engenheiro cedo dissipou as dúvidas com uma convocatória inicial conservadora, na qual não faltou sequer um Bosingwa já com poucas condições para altas cavalarias. E a partir daí foi chamando, uma a uma, as muitas revelações em que felizmente é fértil o futebol português, procedendo à renovação com segurança e sem desaproveitar, como muitos vaticinavam e até “exigiam”, os veteranos sem os quais jamais teríamos alcançado o topo da Europa.

Lembrei-me disso ontem, primeiro ao ver, nas laterais da defesa, João Cancelo e Raphael Guerreiro, dois talentos puros, dois jovens que darão poucas hipóteses de voltarmos a ter no onze titular da Seleção três campeões europeus: Cédric, Vieirinha e Eliseu. E depois, já sobre o final do jogo com a Letónia, quando vi o golo de Bruno Alves, esse podre de velho sempre generoso, sempre concentrado e sempre útil, que tantos têm dado como acabado e que insiste, com modéstia e determinação, em fazer prova de uma vida futebolística que chegará, pelo menos, até ao Mundial.

E é apenas na zona de ação de Bruno, José Fonte e Pepe que está por fazer a tal renovação tranquila, um pouco por falta de opções imediatas, mas muito pela inegável qualidade dessa velharia que nos assegura o presente e o futuro próximo. Mais tarde, um dia, Santos fará então o trabalho.

Canto direto, Record, 14NOV16

Partilhar

Os comentários estão fechados.