A desilusão de Rita Ferro Rodrigues

Em fevereiro, a SIC acabará com “Juntos à tarde”, o que motivou a crítica velada de Rita Ferro Rodrigues numa rede social, com recurso a frases aparentemente inócuas – como “neste horário é preciso tempo” ou “sinto que estávamos agora a começar” – mas significativas quanto ao final anunciado de um programa que perdeu a guerra das audiências: quase metade das que regista, na TVI, a competente Fátima Lopes. Em televisão, o que o público não quer morre cedo.

Compreende-se a desilusão de Rita, prejudicada – como já tinha sucedido com Andreia Rodrigues – pelo desgaste de imagem de João Baião, que repete exaustivamente os tiques, as graças e um estilo de apresentação velho de 20 anos – uma eternidade no ecrã.

Mas pode ser-se veterano e atual, desde que exista uma qualidade que nem todos têm: a humildade. Não a humildade dos pobres, antes a que permite observar a vida e acompanhar o Mundo com a consciência de que, surgindo a toda a hora outros talentos, não se sobrevive a olhar para ontem – só a trabalhar mais, a fazer diferente e a conseguir melhor. Por isso, nas manhãs, Manuel Luís Goucha mantém-se novo e Júlia Pinheiro inscreveu-se: será a próxima a forçar a SIC a decidir se quer continuar a perder.

Antena paranoica, Correio da Manhã, 9DEZ17

Partilhar

Os comentários estão fechados.