Paisagem paradisíaca, petróleo puro – e o diabo que vem aí

As imagens dos incêndios perto de Atenas falavam por si: as ignições multiplicavam-se como se uma força demoníaca as espalhasse. E confirmavam a tese de que quando a Natureza se enfurece, no caso o calor e o vento, o homem é demasiado pequeno. Claro que os focos iniciais podem ter resultado de mão criminosa, como anunciou o governo grego para sacudir responsabilidades no desordenamento do território, na fragilidade da prevenção, na falta de bocas de incêndio, na proliferação de casas ilegais e na ineficácia da resposta ao caos – lá... Leia o resto →