O dérbi, o campeão e três agoras

Os jogos têm quase sempre um momento que decide da sua sorte. O do último dérbi foi logo aos 8 minutos, quando o remate de Rafa fez a bola embater na trave. Não entrou então, não entraria nunca mais, é uma história já vista incontáveis vezes. Manda a verdade que não se recorde esse capricho do destino como fruto do azar de Rafa sem chamar também à colação o mérito de Rui Patrício, que condicionou muito, tornando-a imperfeita, a execução do extremo benfiquista. E podemos até encontrar um segundo momento... Leia o resto →