A bÁctéria indestrutível

Ninguém está livre da asneira: escreva-se ou fale-se, há sempre uma fresta por onde entra o erro. Nas televisões, porque a visibilidade é maior, a ignorância e a falta de rigor abundam. E ainda esta semana, um desses plumitivos transformados pela ordem caceteira em “diretores de comunicação” surgiu, com recorte doutoral, a utilizar um termo inexistente: a “catrefada”. Mas o mais preocupante é que já nem pivôs de telejornal escapam – há dias, um recuperou a celerada “rÚbrica” – e são mesmo eles, pela montra em que dão exemplo, quem... Leia o resto →