Espuma dos dias

A pobre exibição da Seleção paira como um sonâmbulo que espera por segunda-feira voltado para o autocarro de Carlos Queiroz. A crise do Sporting voltou a dominar os debates, com o “happening” de ontem a tomar largas horas de transmissões televisivas. Infelizmente, os ânimos extremaram-se tanto que o apelo de Rogério Alves para se “abolir a linguagem bélica” caiu em saco roto e a violência anda no ar. E nesta questão de abuso de palavreado e postura agressiva, a culpa é menos da marginalidade e mais de quem se admitia... Leia o resto →

A Seleção vai inexplicavelmente no rumo certo

“In illo tempore”, viviam ainda os professores na ilusão da terra onde escorria o leite e o mel, era a estrelinha de António Costa que empalidecia, com os Kamov avariados, as capoeiras por restaurar, a pressão dos lóbis a exigir mais meios, enfim o verão bombeiral a ameaçar deixar tudo descalço outra vez. Mas a entrada em parafuso do presidente do Sporting aspirou o interesse dos média e as emoções da canalha com a gula com que o papel mataborrão absorve a tinta – e Costa refugiou-se no limbo. Encravado,... Leia o resto →

Cristiano e Messi: o mais forte de todos e o melhor da história

Vejo como um caso de estudo que a justa euforia em torno do histórico desempenho de Cristiano Ronaldo, frente à Espanha, seja acompanhada por críticas absurdas a Lionel Messi, por não ter convertido um penálti e carregado a seleção argentina às costas. Vão ser esses os comentadores que amanhã, se Cristiano estiver mais apagado face a Marrocos e Messi fizer um jogo ao seu nível contra a Croácia, dirão ou escreverão precisamente o contrário do que fizeram nos últimos dias. Tantos anos a ver futebol sem entenderem que, num minuto,... Leia o resto →

A pobreza das marchas populares na RTP

Foi o quarto programa mais visto de terça-feira, com 758 mil telespectadores – à frente de “Secret Story”, da TVI – e o segundo em “share”, a seguir à novela “A herdeira”, também da TVI. A transmissão das marchas populares deu à RTP um pico do “glamour” que há tanto tempo se foi. Um dos motivos dessa perda esteve, aliás, patente na noite de Sto. António, com a forma pouco imaginativa, para não dizer desleixada, como o canal acompanhou o desfile. No início de cada apresentação, um grafismo “naif” apontava... Leia o resto →

Jogámos a passo, devagar e devagarinho, à espera do mesmo de sempre

A bola sobe fora do alcance do mais alto da barreira, Piqué, faz a barba a Busquets, que estica a cabeça em desespero sem lhe conseguir tocar e desce para a gaveta de De Gea, incapaz de reparar, com uma defesa impossível, o seu erro descomunal no segundo golo de Cristiano: e assim fez o capitão, ao cair do pano, o imerecido empate para Portugal. Imerecido não é talvez o termo adequado porque no futebol não há justiça e os protagonistas é que contam, sejam 11 ou apenas um, como... Leia o resto →

Federer e Nadal voltaram a ser os donos do ténis

São 17 títulos do Grand Slam, 11 dos quais em Roland Garros – sete na última década – a juntar a quatro taças Davis, a 32 torneios Masters 1000, às medalhas de ouro nos Jogos Olímpicos de 2008 e 2016, a 100 milhões de dólares de “prize money” e por aí fora: eis o extraordinário palmarés de Rafael Nadal, após ter vencido ontem, em Paris, um troféu que lhe permite manter-se como n.º 1 do ranking ATP e confirmar a sua condição de melhor tenista em terra batida da história.... Leia o resto →

É preciso muito estômago para ser polícia

Referi aqui, há uma semana, a absolvição da mulher que insultou agentes da PSP que o próprio tribunal reconheceu terem sido “ofendidos”. Há que ter em conta, é certo, a cultura de “brandos costumes” que leva a que os nossos polícias não recorram a métodos drásticos como os dos norte-americanos, que algemam os presumíveis delinquentes mal os abordam. Ou como os dos brasileiros – que podemos seguir na Netflix, na inquietante série “P.O.L.Í.C.I.A” – que saem das viaturas com pistolas e metralhadoras prontas a disparar. Mas nem oito, nem 80,... Leia o resto →

A defesa está ótima, o pior é o manicómio

Grande foi a demonstração de capacidade da Seleção, superando claramente uma Bélgica fortíssima, a atuar em casa e a não lograr o que raramente falha: golos. Fernando Santos parece ter acertado no quarteto defensivo titular – não por acaso, o da final do Europeu – que se exibiu a alto nível, permanecendo, todavia, um velho problema. É que com a carga de jogos do Mundial vai ser preciso rodar e as quatro alternativas não estão no mesmo patamar – por experiência a mais ou experiência a menos. Recordo o erro... Leia o resto →

« Entradas mais antigas

 
Back to top