O Dyane que puxava um atrelado: e com eles cheguei a Andorra!

Uma reportagem recente da SÁBADO, que explicava como se chegava ao Algarve há 40 anos, remeteu-me para esses tempos quase pioneiros – da vida de que desfrutamos hoje – em que estradas estreitas, esburacadas e com demasiadas curvas faziam com que qualquer viagem, fosse para norte ou para sul, constituísse uma proeza. Rendido, até hoje, aos encantos do icónico Citroen 2CV, adquiri em 1979 a sua versão melhorada – eu sei que melhorada é discutível – o Dyane. Era um modelo azul-escuro, descapotável e com uma suspensão fantástica, que me... Leia o resto →

Rui Vitória é de novo uma besta

Longe de prever que viriam aí duas derrotas, referi aqui há uma semana o estranho modo como o Benfica resolveu, ou não resolveu, as lacunas criadas na baliza e no centro da defesa pela partida de Ederson e Lindelof. Hoje, o resultado da ligeireza com que se julgou ter esses problemas resolvidos está à vista de todos, incluindo à daqueles que enfrentam sempre as crises das suas equipas em estado de negação. Não vou voltar uns anos atrás, aos tempos em que a intolerância generalizada garantia que Rui Vitória –... Leia o resto →

A polícia já anda de comboio

Desgastado pelo verão horrível e pelas imparáveis sequelas do roubo de armas em Tancos, o Governo “estacionou” nos 40 por cento nas sondagens quando devia estar já no limiar da maioria absoluta. É certo que a agressividade de Passos Coelho – que todos os dias encontra forma de criticar António Costa – e a boa campanha de Assunção Cristas na corrida à câmara da capital também não têm facilitado a vida ao PS. Mas o que falha demasiado no Executivo é a estratégia de propaganda – em que tem muita... Leia o resto →

Quem pode é que deve pagar mais IRS

Cúmplice na política de cortes das pensões de Passos Coelho – inevitável perante a iminência de bancarrota que o Governo anterior enfrentou, como já tantos se esqueceram desse pormenor… – Assunção Cristas defende agora uma impossibilidade: a redução de IRS para todos os escalões. Ao longo de anos, tenho combatido aqui não só o prolongamento da CES, de que só em dezembro ficaremos livres, como a insistência de Passos na reformada Segurança Social – ideia fixa há dias retomada – que nada mais é, para o líder do PSD, do que a... Leia o resto →

José Manuel Trigo fechou o T Clube: ficaram as memórias

“Uma retirada a tempo é uma vitória” – Napoleão Bonaparte, imperador francês, 1769-1821 Há três décadas, vivi o meu período sempre em festa: ia a quase todas. Nessa altura, em Lisboa, afirmava-se um novo rei da noite, Pedro Luz – que lançou de uma assentada o Docks e o Indochina –, o Porto era Twins, e no Algarve lideravam o negócio, com públicos diferentes, Liberto Mealha e José Manuel Trigo, este a aproveitar o enorme sucesso da Trigonometria, para abrir, também na Quinta do Lago, o sofisticado T-Clube. Trigo tinha o melhor know... Leia o resto →

De Luisão ao VAR, passando por Cristiano Ronaldo e Martina Hingis

Tenho amigos benfiquistas que andam preocupados pelo facto de o clube da Luz ter contratado um quarto guarda-redes, de apenas 18 anos, sabendo-se da superveterania de Paulo Lopes e das limitações físicas recorrentes de Júlio César. E se a inexperiência de Bruno Varela ao mais alto nível o fizer abanar, como se resolverá o problema? Bem, não acredito que Rui Vitória e a estrutura encarnada não tenham equacionado todos os cenários e, se fosse benfiquista, talvez me preocupasse mais com o centro da defesa, já que Jardel se lesiona com... Leia o resto →

O regresso da amargura

Não vejo a política com palas nos olhos e recorro a uma visão periférica para concluir que Cavaco Silva foi um bom primeiro-ministro e um razoável Presidente, dadas as circunstâncias. Estive em Belém quando ele condecorou Artur Agostinho, em 2008, e tive oportunidade de salientar, e de agradecer, no Record, o sentido de justiça desse gesto. Cavaco deu a Portugal, ao longo de décadas, o melhor que soube e pôde – é essa a minha apreciação individual, que inclui uma admiração que pensei ser para o resto da vida. Foi por isso com... Leia o resto →

Acabam US Open e Vuelta: ficam as saudades de Federer e Contador

Para se escrever sobre televisão, existe um mandamento óbvio: ver televisão. E esta semana, chegado o dia de produzir a crónica, verifiquei que não cumpri a tal regra de ouro que me habilitaria a refletir com o leitor sobre um tema de interesse comum. Preciso de me justificar, não foi propriamente não ver televisão, mas ver apenas aquilo que na época do ano que atravessamos me mantém refém do televisor: o Open de ténis dos Estados Unidos e a Volta a Espanha em bicicleta. A agenda diária não me dava... Leia o resto →

« Entradas mais antigas

 
Back to top